27

Jan 26, 2012
Minha mão está vermelha, não foi nada demais. Queimou enquanto fazia o jantar essa noite, ardeu. O queimar ardeu e trouxe tudo que há tanto guardava, meus olhos aceitaram a maré alta mas não me permiti criar ondas pelas cicatrizes que ficaram. Repetitivo, é isso que sinto, tudo repetitivo. Vai, volta, fica, passa, entra, sai, seca, molha. Neverending circle. Já não sei mais porque escrevo, só sei que a necessidade ainda é maior do que a razão.

26

Jan 11, 2012
O ano novo começou e trouxe consigo a implacável busca ao desapego. O caminho de volta é tortuoso e as armadilhas se multiplicam a cada passo dado, já consigo ver terra firme, o oceano fica cada vez menor. Não quero morrer na praia, I'm in for the long journey.