30

Aug 23, 2012
Mudei. Vendi a casa e hoje moro de aluguel. Quis que fosse assim, não me sinto no direito de ter nada no meu nome. Já nem queria ter nome. E se me perguntarem, oh dear, vou responder na lata: Estou fugindo de você. Não me envergonho disso, preciso de paredes limpas e sem memórias para poder recomeçar. Prendi minha vida inteira em caixas usadas do mercadinho que fica no final da rua. Espero não te encontrar, nem em pensamento. Que a casa nova me traga um novo amor, ou me faça ao menos... esquecer do último.