43

Dec 7, 2014
E a tua lembrança veio hoje enquanto eu colocava o lixo pra fora, era apenas mais um dia ordinário entre tantos outros que venho vivendo. Mas lá estava ela, uma rosa solitária colocada delicadamente entre os vãos da minha lixeira. Congelei por um segundo. Era você? Foi uma maneira de remarcar tua presença em meio ao lixo que deixou dentro de mim? Ou será que era só uma simples flor, rejeitada por quem quer que fosse? Ainda não sei o que pensar, não soube como processar isto e, por isso, escrevo. Eu sei que fazem meses mas a vida é mesmo assim, inconstante. Nada de novo aconteceu, eu não conheci ninguém. Perdi os amigos que tinha que perder, fiz outros no caminho. O Dylan ainda toca na vitrola. Me pergunto o que será que tu escutas hoje em dia, eu já nem te conheço mais.

1 comment:

  1. Há quem não sabe que pra deixar tem de apodrecer. A decomposição é algo bom nesses sentidos. Até parece que não morreu neles também, sabe?!

    Nada de novo nunca acontece...

    ReplyDelete